Jogando no Escuro

Ano passado assisti a uma palestra fascinante no palácio da Reitoria. Num primeiro momento, como é de se esperar, o palestrante tenta conquistar a plateia com breves chistes sobre a cidade. Creio que fez o mesmo em todos os lugares por onde passou. A estratégia deu certo, pois sua palestra realmente chamou a atenção. O homem é relativamente jovem, e quem apenas lesse o conteúdo de um relatório desta palestra imaginaria tratar-se de um senhor de idade. Mas sua barba (bem cuidada, como é de se esperar de um bom cientista) era preta e ele não era careca. Miguel Nicolelis falava, entre outras coisas, da possibilidade nem tão remota de controlar robôs a partir de lugares longínquos, usando apenas ondas cerebrais.

Algo fácil de duvidar; porém ele o demonstrou com destreza. Ficou compreensível a nós, meros leigos que o assistíamos, a ciência complexíssima que explica como ele e seu time chegaram a fazer com que um macaco, sem mover um músculo, fizesse um robozinho andar do outro lado do planeta. Isto poderá fazer com que deficientes possam se locomover, utilizando aparatos robóticos sofisticados. Nicolelis pretende que o chute inaugural da copa do Brasil seja dado por um deles.

Imagem

No meio de sua explicação, ele menciona uma pesquisa realizada com tenistas. Após uma hora de partida, eles são vendados, e lhes pedem que, com a mão descansada, toquem a ponta dos dedos da mão que jogava. Eles tendem esticar o braço e procurar a ponta de uma raquete que não está mais lá. Deduz-se que os instrumentos se transformam em extensões de nosso próprio corpo.

Nicolelis fala ainda de uma palestra na Argentina e que incomodou os convidados ao mencionar el mejor jugador de todos los tiempos: Pelé. Ele, assim como Maradona, Garrincha, e todos os outros grandes, possui uma habilidade que os diferencia de outros jogadores. Ele corria sem precisar olhar para a bola, como se ela fizesse parte de seus pés. Isto o permitia ter uma visão de jogo maior.

A sensação de insegurança que às vezes possuímos vem exatamente do fato de não podermos ver tudo ao nosso redor. Por isso o sucesso de filmes de suspense. Ou a câmera não nos permite ver o que ataca nossos personagens (e vemos pelos limites de sua própria visão, como se fossemos nós mesmos os atacados), ou nos permite ver exatamente o que eles não podem (e nos horrorizamos por não poder avisar à colegial que há um assassino com um machado, no banco detrás do carro).

Mas não me lembrei de tudo isso por acaso. É que finalmente vi um filme do famoso Emir Kusturica;  o documentário sobre Maradona. Não quero falar sobre a película, que para mim tem defeitos em sua abordagem, por endeusar demais o grande jogador, e em sua montagem, devido à insistência e repetição de cenas bobas. Mas também tem ótimo conteúdo, e em certo momento Maradona dá a receita para aprender a jogar sem ver a bola: “mesmo depois de escurecer, sem enxergar nada, continuávamos a jogar, de modo que ficava bem mais fácil de dia: olhávamos para o jogo, e não para a bola”.

A questão é que sem talento não adianta. Nós, os babistas da Águia Branca, somos jogadores experientes, e em alguns babas, por vício, também jogamos até ficar escuro. Geralmente me rende algumas furadas e uns chutes vergonhosos. Uma vez levei uma bolada no pescoço. Em outra, fiz um gol que ninguém viu.

Anúncios

9 pensamentos sobre “Jogando no Escuro

  1. Afinal de contas, Diego, nos babas mal iluminados, tudo o que é branco é para ser chutado.

    Ju, não pretendo parar de escrever para o Confraria, quando ele voltar a funcionar. São projetos diferentes. Você achou bonitinho o visual desse?

  2. Não é exatamente uma moda, já que fazem assim tem tanto tempo. Ou você acha que Alexandre Dumas só escrevia para um periódico?

    De um jeito ou de outro, é bem divertido.

  3. Sem polêmicas, mas acho que esse blog aqui, ao contrário do Confraria tem outras pretensões, ou estou errada? Gostei do visual “rapaizinho sério” sim!

  4. Exatamente, Ju. Não pretendo parar de escrever pro Confraria, se ele voltar. Nesse estou escrevendo textos, sim, mas quero também divulgar coisas que acho legais, que ninguém veria se eu divulgasse no mar de compartilhamentos do Face. Inclusive, hoje posto uma canção.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s