Calhamaços e Mangangás

Um calhamaço digital é uma contradição. Os livros digitais, além de não sentirem em seu corpo o movimento dos calendários (descartando assim um significado da palavra), possuem todos a mesma espessura de um mini-conto. Como os DVDs, os livros digitais têm mesmo peso, que é aquele do aparelho, ainda que uns sejam maiores. Minha resistência, é claro, se dá por outros motivos – eu não leio livros digitais por que eles não me transmitem a urgência do livro físico, esse sim, constantemente me chamando, me lembrando da vergonha de ainda não tê-lo lido: “por que ainda não me escolheste, bárbaro capadócio?”. O livro físico está sempre me chamando a atenção para a sua existência, seja na mudança, no sono, ou quando estou procurando alguma coisa; o livro digital fica escondido numa pasta dentro do HD externo e pronto. A leitura é resultado da constância – estamos preparados para ler uma pagininha no ponto de ônibus, outra no banheiro, entre as aulas, um pouco antes de dormir. Ah, e o calhamaço ainda tem o benefício de ser grosso: podemos medir em centímetros o nosso avanço.

Isso tudo é pra dizer que muito relutei antes de iniciar meu Viva o Povo Brasileiro, esse cartapácio de quase 700 páginas, mas que não comecei agora só por causa da morte de João Ubaldo Ribeiro. Na verdade, estava com o livro na mão quando recebi a notícia. Ah, vá lá, isso é um exagero dramático para minha história fazer mais sentido. Na verdade o livro estava na minha bolsa quando soube. Mas te juro por Marcel Proust que ia começar essa semana, por razões completamente outras. Elas não vêm ao caso; o importante é que, como dizia, muito relutei em lê-lo.

midia-wap-escritor-joao-ubaldo-ribeiro-1274206187572_720x576Comprei o meu em 2006, editado pela Record/Altaya numa edição em papel-jornal da coleção Mestres da Literatura Brasileira e Portuguesa mais leve que o Pinóquio de bolso da Cosac Naify. Ainda não tinha absoluta vontade de ler João Ubaldo. Adquiri o volume pura e simplesmente porque estava muito barato, coisa de uns 15 reais, e na época eu andava muito empolgado com uma matéria de Literatura Brasileira ministrada pelo poeta Ruy Espinheira Filho, amigo pessoal de João Ubaldo. Na faculdade e fora dela, todos diziam que era um livro muito importante e coisa e tal, mas apenas um ou outro tinha lido de verdade, do começo ao fim. O livro era obrigatório para o vestibular, e muita gente tinha assistido várias aulas sobre o danado. Eu passei no vestibular de LETRAS sem ter lido um livro sequer dentre os indicados, e posso dizer que a escola e as provas são um desserviço – não às editoras – à obra. Todo mundo compra os livros da lista por obrigação, e ninguém quer ler. E vou dizer: li alguns deles depois, simplesmente porque eu não era mais obrigado. São ótimos.

Viva o Povo, que comecei essa semana, é o melhor. Relutei exatamente por causa de toda a conversa mole de quem o conhecia sem ter lido, e por ser esse catatau que exige muito tempo e preparo. O livro é muito divertido! Há um humor escancarado ali que me lembra os romances históricos de Saramago (lembrando que Viva o Povo e Memorial do Convento são do mesmo ano), mas sua linguagem intensa e colorida, ora barroca ora coloquial, o coloca ali ao lado de Os Sertões e Grande Sertão: Veredas, entre nossas obras mais poderosas. Sargento Getúlio já havia sido uma grande experiência sensorial. Viva o Povo (até agora, pois ainda não cheguei nem na metade), me parece ser o nosso Guerra e Paz ou nosso Quixote, se é que precisamos de exemplos estrangeiros para conseguir delinear suas dimensões (imagine um Guerra e Paz ibérico, saliente e anti-heroico).

Então hoje, no mês das tragédias, previsivelmente, morre Suassuna. Já li umas peças dele, também bastante ibéricas. Suassuna  é Cervantes puro, e ressoa de cabo a rabo aquele sabor malandro de Tirso de Molina, Calderon de la Barca, Molière e Carlo Goldoni. Quem lê esses caras reconhece algo do interior nordestino ali. A semelhança é historicamente real, tudo bem; mas me fica a sensação que parte de nosso iberismo foi pintado por Suassuna, e bem sabemos que as letras reconstroem a memória coletiva.

noticia_977827_img1_suassunaSuassuna e João Ubaldo têm muito em comum – redesenharam o Nordeste; falavam alto, com suas vozes de mangangá; concorreram ao Nobel e perderam (o Nobel que os merecia e não o contrário); eram eles próprios os maiores personagens literários do país. Nas fotos, eram diferentes – João Ubaldo, fornido, galhofeiro, mantinha o eterno sorriso do baiano do litoral; Suassuna é o sertanejo convicto, taciturno, às vezes discretamente irônico; (Jorge Amado e João Cabral); não quero comparar mais.

No ano de 2008, ambos disputaram o maior prêmio internacional para escritores de língua portuguesa, o Camões. Alternam-se os continentes lusófonos com frequência, para o recebimento do prêmio. Meu professor Ruy Espinheira foi o presidente da comissão de julgamento naquele ano, e nos contou como foi acirrada a escolha do vencedor. Fizeram não uma, mas várias reuniões internacionais, com membros dos três continentes, e a votação sempre empatava. O prazo de definição se esgotava e João Ubaldo Ribeiro enfim foi galardoado, por conta de Viva o Povo Brasileiro, devido exatamente a essa vívida representação que ele faz dos povos da América do Sul, da África e da Europa. O livro que durante todos esses anos esteve ali à minha espreita. Ao escutar essa história, me marcou exatamente uma fala de Ruy, espécie de consolo por não poder entregar o prêmio aos dois: “Essa dificuldade em escolher foi, de certa forma, uma espécie de reconhecimento a ambos, e no futuro Suassuna certamente haverá de receber o seu”. Suassuna não chegou a ganhar. Na verdade nem precisava.

Anúncios

3 pensamentos sobre “Calhamaços e Mangangás

  1. É encantador beber desta intimidades representada pelas palavras e pela belíssima releitura feita por Paulinho!! Parabéns!

  2. Raviere, meu caro! E a Pedra do Reino, já leu? rsrs Aliviado porque não sou só somente eu quem não leu Viva o Povo Brasileiro, minhas antipatias eram justamente por causa do vestibular e “por ser o melhor livro da vida” de muita gente…

    Abraços

    • Wesley, de Suassuna só li duas peças mesmo. A Pedra do Reino só vi na TV, e não entendi nada. Rapaz, tou quase terminando Viva o Povo, e é bom de verdade. Super divertido, é, no final das contas, um grande livro de aventura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s