Marcha dos Humildes Desejos

  • Ao esfregar sonolento uma xícara suja,
  • Me abordou de repente um sujeito barbudo:
  • “Agora és meu amo; tudo a ti realizo
  • Farei o que queres, se pedes com estilo”
  • Não sabia o que era com estilo pedir:
  • Quais desejos faria, o que queria para mim
  • Pedir coisas banais seria fácil demais
  • Por estilo é difícil desejar pros iguais.
  • Pois eu bem gostaria de ser mais esperto
  • Por estilo eu escolhia o fracasso de Neto!
  • Eu queria mais amores, riquezas e glórias,
  • Por estilo um ataque da mídia no Dória
  • Bem queria vida longa, saúde e preparo
  • Por estilo o silêncio de seu Bolsonaro
  • Desviar de patifes cujas vidas me ferram
  • Por estilo o desejo inclui José Serra
  • Gostaria das memórias de muitos sucessos
  • Por estilo o avanço do processo de Aécio
  • Para mim mais vantagens, viagens e fama
  • Por estilo a ruína do ‘poeta’ e sua dama.
  • Respondi: “Descobri o que de tudo prefiro!
  • Que os canalhas do mundo desejem com estilo”.

As Coincidências

A grande arte recheia a existência
A física senta e escreve o universo
Contas redondas regulam a ciência
Uma frase torta decepa este metro.

Há quem procure as coincidências:
Nomes iguais, talvez datas certas,
A fuga do jogo em duas linhas retas;
E um desafogo a suas consciências.

Pois saiba da morte do argentino
Uma brincadeira triste e divina:
O artista e físico Ernesto Sábato,
Quase fez cem. Morreu num sábado.

Fiz esse poema de brincadeira, no blog de Charlles Campos, sobre um comentário em que se confundiu o dia da morte de Ernesto Sábato.